Viagens corporativas fazem parte da estratégia de muitas empresas. Os benefícios são inúmeros, assim como a necessidade de um planejamento adequado. Uma gestão eficiente de todos os itens que envolvem o deslocamento de um colaborador é fundamental para evitar transtornos. Principalmente, quando falamos em viagens internacionais.

Deslocamentos para o exterior são ainda mais vantajosos, visto que a aumentam a visibilidade da marca. Além de ampliar a gama de contatos, expandir as possibilidades de negócios e alçar a empresa em mercados estrangeiros. Porém, é preciso reforçar a atenção e os cuidados com o colaborador em viagens para fora do Brasil.

A começar pelo planejamento. Dependendo do país de destino, há exigências específicas para entrada de estrangeiros, como vacinas, seguros e outros itens. Dessa maneira, elaboramos um checklist, com os pontos que devem ser priorizados no planejamento de uma viagem ao exterior.

Dessa maneira, o colaborador evita transtornos e poderá viajar sem imprevistos para o país de destino.

1. Exigência de visto

Muita atenção, alguns países exigem visto obrigatório para estrangeiros, outros não. Porém, sabe-se que mesmo em destinos que não fazem essa exigência, ter o visto em mãos ajuda a passar na imigração.

Para ajudar a obter essa informação, o site Passaport Index ajuda o viajante a saber quais países exigem o visto de entrada. O site também informa quais países liberam a entrada por tempo determinado, assim como aqueles que não exigem visto. Clique aqui para ver a lista de países de acordo com o passaporte brasileiro.

Há ainda casos em que, mesmo sendo apenas uma conexão ou escala, é preciso ter um visto. Em alguns países, o passageiro sem visto não é liberado para embarcar. Por exemplo, nos Estados Unidos. Verifique suas conexões no roteiro de viagem.

2. Tempo do visto

O processo para obtenção de visto pode ser demorado, dependendo do país. É fundamental considerar essa característica na hora de programar a viagem, caso o colaborador não possua visto válido. Se viagens internacionais são comuns para os colaboradores da empresa, a dica é ter visto em stand by.

A validade dos vistos varia conforme o país emissor. Nos Estados Unidos, por exemplo, o visto vale por 10 anos. Para obter informações sobre validade e tempo de entrega do visto, consulte a embaixada do país. No site Consulados, você encontra a lista de todos os consulados presentes no Brasil. 

3. Passaporte e documentos

Atenção à data de validade do passaporte na hora de viajar. Muitos países determinam um tempo de validade mínima para que o estrangeiro entre no território. Nos Estado Unidos, é preciso ter passaporte com, pelo menos, seis meses de validade. Porém, aos brasileiros é exigido validade integral do passaporte durante o período de permanência no país.

Além do passaporte, o viajante também deve estar em posse de outros documentos durante o período de viagem. Como RG, CNH, CPF e comprovantes de hospedagem e passagens. Não raro, imigrações pedem que o turista informe o endereço em que ficarão durante a estadia no país e a passagem de volta.

Em caso de perda do passaporte, é necessário registrar um Boletim de Ocorrência e procurar a embaixada mais próxima para solicitar um documento substituto.

4. Vacinas necessárias

O ingresso em determinados países está condicionado a vacinas, assim como para conexões. A vacina contra a febre amarela, por exemplo, é exigia por 135 países, incluindo Estado Unidos e Portugal. No site Portal Consular, do Ministério das Relações Exteriores, é possível verificar a lista de países que exigem a vacina.

5.   Exigência de seguro

Em alguns países há ainda a exigência de seguro viagem, incluindo o seguro saúde. Assim ocorre nos 26 países de integram o Tratado de Schengen, contando com Alemanha, Espanha e França. O tratado exige, a saber, que o seguro saúde do visitante tenha cobertura mínima de 30 mil euros. A intenção é que qualquer imprevisto esteja resguardado pelo próprio viajante.

Agora você já sabe alguns pontos básicos para organizar a viagem do colaborador da sua empresa. Mas que tal uma consultoria geral sobre viagens corporativas?

Para aprimorar os processos de viagens da sua empresa, contate os consultores da Conextravel!

Leia também:

5 dicas para minimizar os efeitos do jet lag

Por que contratar uma agência de viagens corporativas?

Como elaborar um relatório de despesas de viagens corporativas

Leave a Reply